16ª Prêmio Ford de Conservação Ambiental e seus projetos vencedores #premioford

Neste início de semana fui convidada para participar do 1° Seminário de Sustentabilidade da Ford, o que não foi muita novidade para quem andou lendo meu blog e também me acompanhando nas redes sociais como o twitter e o facebook. Fui muito bem recebida pelos representantes e também pelo pessoal do hotel, enfim… Na manhã de segunda-feira fomos direto para o MAM (Museu de Arte Moderna de São Paulo), no qual foram apresentados os projetos de todos os premiados.

De início o pessoal apresentou qual era a intenção da Ford em promover tal evento, que já é bem pioneira na área de premiações de projetos ambientais. Eles falaram de como são vistas as ações (multiplicadoras), como as indústrias automobilísticas veem tudo isto da área ambiental, mostraram como a fábrica e as vendas (tanto distribuidor quanto investidor) ainda são tidas como algo bem diferente, mas trabalham integradas. Um outro fator que foi abordado é quanto ao uso de energia que ainda é alto e os impactos também.

Para o Prêmio, formou-se uma comissão julgadora composta por: Célio Costa Pinto, superintendente do IBAMA na Bahia, Shelley Carneiro, gerente de meio ambiente da CNI, Kaká Werpa Jacupé, escritor e ambientalista, Adalberto Marcondes, diretor do site Envolverde, Ricardo Braun, cientista ambiental, Eric Stoner, especialista em meio ambiente, e Ana Rita Pereira Alves, assessora da Sociedade Civil Mamirauá.

Depois desta abordagem  feita por pessoas responsáveis da própria Ford, iniciou-se a apresentação dos grupos premiados. O primeiro a falar foi o das meninas:

Colégio Santa Catarina e o benefício da qualidade das águas na região sul

O Colégio Santa Catarina, de Novo Hamburgo (RS), vence na Categoria Meio Ambiente nas Escolas. Por meio do Projeto Socioambiental GISA.

Este projeto foi apresentado por Eliana Muller, Cintia Ramos e Irmã Cláudia. Elas trabalham em conjunto com as escolas em Novo Amburgo/RS, elas iniciaram com planos de ações que envolveram mais de  14 mil pessoas em conscientização ambiental. Tudo isto aconteceu na Bacia hidrográfica do Rio dos Sinos, que já era reconhecido por ser um rio poluído  e que abrange 47 municípios, sendo que 32 são abastecidos por água do Rio dos Sinos.

Este trabalho é voltado para a conscientização e diminuição da poluição e o foco principal são os alunos. Em primeiro lugar foi trabalhado o diagnóstico do conhecimento dos alunos (o que eles sabiam em relação à poluição), soube-se que se sabia de muito pouco. Um outro estudo foi saber de fato como estava a água, o primeiro método foi em relação aos bioindicadores, no qual foram escolhidos os macro-invertebrados.

A Região dos Arroios (muito poluídos), concentração de curtume com alto índice de morte de peixes (120 toneladas) no rio do Sinos. Foram pesquisados os insetos que ficam sob as águas, pelos macro invertebrados. Os bioindicadores eram registrados pelos insetos que gostavam muito de viver ali, pois estes vivem com o alto índice de oxigênio e foi percebido que se havia pouco, considerando então que a água estava poluída demais. Soube que a população não sabia de nada sobre saneamento, dado este por depoimentos da própria população.

 

“As crianças (de 2 a 5 anos de idade) são receptores para serem educados ambientalmente”

 

Trabalho: recuperação do jardim deles, no qual professores e crianças/alunos iam para terra, com enxadas.

Trabalho de educação ambiental: como plantar, de que forma, e por quê?

Ação: O grupo foram aos órgãos públicos, Correios, Supermercados e outros estabelecimentos. Os alunos escreviam o que deveria ser feito para ajudar a conservar a água e encaminhavam, conseguindo agrupar 2500 bilhetes e em troca, ganhavam 1 planta para colocar em casa. Foi feita uma carta compromisso em sessão com o prefeito.

Uma outra ação interessante foram das SMS enviadas via celular com a frase “SOS Rio dos Sinos”. Houve um Concurso Fotográfico, que havia um diferencial, eles pediam que mostrassem o lado bonito do Rio do Sinos. Hoje as meninas já estão trabalhando nos projetos do próximo ano. Que venha!

 

Universal é o grande destaque como Distribuidor de Caminhões

– Edson França – – Sem premiação

 

Apresentada por Edson França (ABRADIF), esta categoria não tem remuneração, ams sim reconhecimento pelos trabalhos realizados em prol ao meio ambiente. O trabalho que a Universal faz é voltado diretamente para a proteção ambiental que envolve os óleos/petróleos. Em seu trabalho, nada do óleo vai para a rede pública de saneamento.

 

“A maior dificuldade são as pessoas” […] “Há uma dificuldade de encontrar empresas que trabalhem com a regulação ambiental”

A difusão da tecnologia para a convivência com a realidade do semi-árido brasileiro

Centro de Educação Popular e Formação Social, vence na categoria “Negócios em Conservação” com o case Adaptação às mudanças climáticas para convivência com semi-árido. Quem apresentou foi o senhor José Dias Campos, que com 26 anos de trabalho com as associações comunitárias, promove a captação de manejo de água proveniente das chuvas via cisternas.

Com o foco em “mudança da qualidade de vida” e salientando não só a importância da água para o homem mas também como via de dessedentação animal e a segurança hídrica, que tem como aporte o Sistema de qualidade da água, no qualprimeira chuva não vai para  a cisterna e sim para um reservatório menor, no qual pode ser usado em outras atividades que não sejam contato primário. Foi percebido uma melhora no índice de mortalidade infantil.

 

“A família é capaz (tem conhecimento que foi passado de geração em geração) e não pode ser visto como coitadinhos.”

 

Já foram atingidas mais de 50 mil famílias. O projeto consiste em áreas experimentais rurais em pequenas propriedades (agricultura familiar de 2 a 3 equitares).

 

Ricardo Braun, especialista em meio ambiente e um dos jurados, ao avaliar o CEPFS disse que o projeto é voltado para tema atual (mudanças climáticas) e relacionado com a questão da re-vegetação, a agricultura familiar e gestão das águas, envolvendo grande número de famílias que vivem em uma região (semi-árido) menos desenvolvida e muitas vezes esquecida no Brasil.

Projeto de reuso da água foi uma das conquistas premiadas

Desiree Cristine Ramos ganha na categoria “Ciência e Formação de Recursos Humanos” com o tema Tratamento e reuso de efluentes da lavagem de automóveis.

Foram feitos estudos dos métodos para o melhoramento da qualidade dos efluentes que são gerados na lavagem dos carros por processos eletroquímicos. O foco foi em empresas de transporte de caminhões, no qual se tem um efluente variável (que pode vir acompanhado de outros resíduos, como areia, barro, salinidade das praias). Geralmente para estes trabalhos é necessário um espaço grande, mas com o estudo deles em um espaço pequeno pode-se trabalhar por ser compacto e com rodas.

– Aldeci Cerqueira Maia e sua brava luta na região do Acre

Na categoria “Conquista Individual”, o vencedor é Aldeci Cerqueira Maia, ou Nenzinho, com o trabalho Imobilização Comunitária para a Criação da reserva estrativista do Cazumbá-Iracema.

Esta foi a parte emocionante das apresentações, pois o senhor Nenzinho é da época de pioneiros como Chico Mendes  e Marina Silva, mas que ainda perciste seus trabalhos na Amazônia desde 1980. No qual foi criado um assentamento pelo INCRA, eles conseguiram parar o assentamento do INCRA,  isto gerou um êxodo rural, pois o pessoal pegava o território muito pequeno e queriam voltar para a cidade.  Vendo isto, Nenzinho ofereceu abrigo nas colocações/bairros (seringal/cidade).

Isto foi o início do trabalho de conscientização para as famílias não irem para a cidade. Nesta época foi feita a criação da reserva.

“tenho uma faculdade dentro da minha área, não me sinto menor do que ninguém”

Ford Avante foi a grande campeã na categoria Distribuidor de Automóveis

Esta também recebeu como prêmio o reconhecimento, a política da AVANTE VEICULOS de Conservação e Conscientização Ambiental contempla ações voltadas para a Conservação, Manutenção, e principalmente, a Previsão de ocorrências que possam afetar o meio ambiente.

Com apenas 1 ano eles já fazem um grande trabalho, em um local onde não se fazia nada em relação a parte ambiental o lavador gastava muita água em ações, mas hoje até mesmo a descarga de óleo feita diferente e com todo método ambiental, sem risco de contaminação, tomando série de ações com menor impacto ambiental, relacionado ao menor consumo de água e energia. Hoje eles também trabalham com a venda de óleo usado, cartilhas que são entregues para os compradores, a política ambiental a vista para todos que entrarem loja, as sucatas ficam dentro do veículo e se           quiser levar, pode e é redirecionado para como dar este descarte da melhor forma por cartilhas.

 

“A equipe é treinada para uma conscientização (total) sem resistência.” […] “A educação ambiental (mudança de cultura) mexe na zona de conforto das pessoas”

Foram dados relatos do trabalho feito, bem como conscientização que se inicia dentro da loja, no qual, vestiários eram bem desarrumados e hoje já é bem organizado. O cliente vê tudo que é feito da parte de meio ambiente na oficina, a parte de conscientização interna já foi feita e já está na parte de melhorias, como colocar ponto de coleta de óleos lá dentro mesmo. Hoje eles estão na fase de buscar outras empresas para fazer o descarte correto.

 

Bi-campeonato é sinônimo de muita preocupação ambiental

Na categoria Fornecedor a vencedora é a Elring Klinger do Brasil. Principal fornecedora de juntas de cabeçote para o segmento automotivo do mercado nacional, a companhia reforçou sua preocupação com o meio ambiente ao ser eleita em primeiro lugar no Prêmio Ford de Conservação Ambiental pelo segundo ano consecutivo.

Apresentado pela Aline e Marcelo, o foco são resíduos que vão para aterro, no qual foi implantado projeto de sustentabilidade 4 Rs:

-Reduzir na fonte geradora

– Reutilizar em outros projetos parceitos

– Reciclar

– Repensar (interna e externa)

Dentro dos serviços apresentados pela fornecedora, seus projetos visam a redução dos desperdícios e a melhoria dos processos, a reutilização dos materiais, a reciclagem propriamente dita e, por fim, o retorno financeiro à empresa, sem falar em projetos paralelos para o desenvolvimento social de jovens excepcionais das comunidades locais. Já reduziram resíduos classe 1.

 

“Não encarar o meio ambiente como algo romântico”

 

O prêmio se torna como um benefício para a companhia, para continuar com os funcionários e ainda poder conseguir novos colaboradores.

Neste ano, o prêmio distribui R$25 mil aos vencedores das categorias voltadas à sociedade e entrega o troféu com menção honrosa para as categorias Fornecedor, Distribuidor Automóveis e Distribuidor Caminhões.

Depois vou falar com mais detalhes como foi o 1º Seminário Ford de Sustentabilidade. Aguarde!

Galeria: