#AcontecenoTO – Jornalista transforma lixo em móveis para a casa

Por Jeseana de Jesus.

 

Carol aproveitou caixotes e uma peça de vidro para fazer um aparador -  (Foto: Carol dos Anjos/Arquivo Pessoal)

Carol aproveitou caixotes e uma peça de vidro para fazer um aparador – (Foto: Carol dos Anjos/Arquivo Pessoal)

O lixo nas mãos da jornalista Carol dos Anjos, de 28 anos, é reaproveitado e se torna objetos de valor. Na casa dela, quase tudo é feito a partir de materiais recicláveis. “Eu vejo objetos na rua, pego e transformo”. A arte foi repassada pelo pai dela, Wanderley dos Anjos, de 50 anos, quando Carol ainda morava em Minas Gerais. Moradora de Palmas há 10 anos, o objetivo da artista é contribuir com o meio ambiente e gastar pouco na mobília da casa. “Raspas e restos me interessam”, brinca Carol.

O armário, a mesa da cozinha e o escritório de Carol foram feitos de materiais que, por pouco, não foram descartados no lixão de Palmas. “Tirando o fogão e a geladeira, tudo foi restaurado”, conta. As pessoas que entram na casa dela e veêm o armário de cor amarela nem imaginam que o móvel estava enferrujado e praticamente destruído. “Eu vi o armário na rua, perto de uma lixeira, chamei minha companheira e o trouxemos para casa. Foram dois dias de restauração. Ele foi pintado, parafusado e envelopado”. Carol gastou apenas R$ 20 porque teve que comprar as puxadeiras para fixar no móvel.

O armário de Carol foi resgatado de uma lixeira em Palmas (Foto: Carol dos Anjos/Arquivo Pessoal)

O armário de Carol foi resgatado de uma lixeira em Palmas (Foto: Carol dos Anjos/Arquivo Pessoal)

Os trabalhos feitos por ela são divulgados em uma rede social para despertar nas pessoas o interesse de também contribuir com o meio ambiente. A arte de transformar o lixo foi aprendida com o pai. Carol lembra que quando morava em Minas Gerais era acostumada a acompanhar o pai no trabalho de restauração. “Eu fazia junto com ele e no final virava uma grande brincadeira”.

Para a jornalista, o trabalho é mais que um hobby, é uma militância. São dois os objetivos: a redução de resíduos sólidos e a decoração da casa usando poucos recursos financeiros. “A minha casa é a minha cara. Sou uma consumidora consciente. E o lixo que eu não restauro, como, por exemplo, embalagens de supermercados, eu lavo e levo para os recicladores de Palmas”.

A mesa foi feita com carreteis de fios elétricos (Foto: Carol dos Anjos/Arquivo Pessoal)

A mesa foi feita com carreteis de fios elétricos (Foto: Carol dos Anjos/Arquivo Pessoal)

O trabalho, além de ser um exemplo para milhares de consumidores é também uma forma de relaxar. “Trabalhos manuais são uma higienização mental. Fico a semana toda trabalhando cerca de 10 horas com leituras e escritas. Daí no fim de semana adoro mexer com isso, tanto que estamos investindo. Compramos furadeira e uma maleta com 103 ferramentas”, comemora Carol, que a cada dia usa a criatividade para planejar novos móveis a partir de centenas de lixos descartados diariamente em Palmas.

Fonte: G1/Tocantins.