Câmeras registram anta em importante remanescente de Mata Atlântica do Sul do Brasil

Tive a oportunidade de ver uma anta apenas uma vez, enquanto viajava nas estradas do Tocantins, ela atravessou a estrada de uma vez, ela era enorme, me lembrava um bezerro bem gordo… Quando uma destas é vista, é sinal de comemoração em algumas regiões, o que é o caso deste flagrante.

Anta

Câmeras de monitoramento instaladas em pontos estratégicos do Parque Nacional do Iguaçu, em Céu Azul (PR), registraram a presença de uma anta (Tapirus terrestris). A espécie, considerada o maior mamífero terrestre do Brasil, pode chegar a dois metros de comprimento e 300 quilos.

Ameaçada e classificada como ‘vulnerável’ pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), a anta desempenha papel fundamental na dispersão de sementes de espécies florestais, o que contribui para a manutenção da regeneração natural da área e com o fluxo de genes entre diferentes populações, essencial para a evolução das espécies.
O flagrante foi comemorado por pesquisadores do projeto “Mamíferos como indicadores da saúde do ecossistema Floresta com Araucárias”, apoiado pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e desenvolvido pelo Instituto Neotropical Pesquisa e Conservação. “ A existência de uma grande área preservada como o Parque Nacional do Iguaçu garante não só a presença da espécie em uma região – Oeste do Paraná – quase totalmente convertida em paisagens agrícolas, mas possibilita que ela mantenha populações geneticamente saudáveis, fundamentais para a sobrevivência da espécie em longo prazo”, afirma Carlos Rodrigo Brocardo, pesquisador associado do Instituto Neotropical Pesquisa e Conservação.

Assista ao vídeo:

Tapirus terrestris_col

Fonte: Fundação Grupo O Boticário