Construções e estilo de vida sustentável

Não depender de sistema de coleta de esgotos, de abastecimento de água ou de uma concessionária de energia já é realidade para muitas pessoas no mundo e até mesmo no Brasil. Além disto varias pessoas estudam formas de garantir a redução de resíduos e de emissão de carbono. O próprio ‘Minha Casa, Minha Vida’ teve 300 casas construídas com técnicas de construção sem tijolo e construídas em bem menos tempo.

Casa construída em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba (Foto: Divulgação/Tecverde)

Casa construída em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba (Foto: Divulgação/Tecverde)

 

Além disto, a compra de imóveis hoje no Brasil aumenta consideravelmente. O Instituto Data Popular divulgou um estudo que demonstra que nos últimos dez anos os gastos com a aquisição de móveis aumentaram 56,8% no Brasil. Esse crescimento deve-se, principalmente, à maior facilidade de acesso ao crédito, ao aumento da oferta de imóveis e ao crescimento do poder de consumo da população nos últimos anos. Imagina se você puder comprar uma casa bem mais barata, construída em menos tempo e com design diferenciado? Ótimo!

“A gente consegue fazer a obra em um quarto de tempo de uma obra convencional economizando em 80% de resíduos e a emissão de carbono, com o dobro de conforto térmico e acústico, com quatro vezes menos mão de obra e com uma garantia muito maior de orçamento porque a obra é toda industrializada”,  Tecverde, engenheiro civil Caio Bonatto.

É impossível calcular exatamente quantas pessoas nos Estados Unidos vivem em casas autossuficientes, mas, em 2006, a revista Home Power estimou que mais de 180 mil casas têm suprimento independente de energia. E outras 27 mil usam energia solar e eólica. [fonte: USA Today]. Já no Brasil não existem dados específicos sobre o número de casas sustentáveis. Porém, há alguns projetos em andamento, como a Casa Solar Eficiente, desenvolvida pelo Centro de Referência para Energia Solar e Eólica Sérgio de Salvo Brito (Cresesb), na Ilha do Fundão (RJ).

O primeiro passo para quem quer se livrar da companhia elétrica é utilizando do sol (energia solar), que é o método mais comum, além do vento (energia eólica). As residências que usam energia solar geralmente têm painéis solares fotovoltaicos (FV) no telhado ou próximos à casa. . Quando o sol atinge o painel, os semicondutores coletam energia e liberam elétrons para circular livremente. Um campo elétrico no painel pega esses elétrons e os força a ir em uma determinada direção, criando uma corrente direta (DC). A DC passa pelo inversor que simplesmente a converte na corrente alternada (AC) usada na casa.

Já na energia eólica funciona de maneira similar. Uma turbina residencial normal, parecida com uma hélice de avião, é instalada no topo de uma torre com altura entre 15 m e 40 m. Quando o vento bate, as palhetas começam a se mexer e giram um eixo que vai do cubo do rotor até um gerador. Esse gerador capta a energia produzida da rotação e a transforma em eletricidade. Com as células solares, a energia criada pelas turbinas eólicas é convertida em corrente alternada com um inversor.

Agora, para se desfazer de companhias de abastecimento de água e esgoto, as melhores formas são, captação de água subterrânea por cisternas, poços jorrantes ou até mesmos captação da água da chuva. Já o esgoto, uma das formas é a fossa séptica, que não é muito recomendada, mas dependendo do local da instalação, respeitando a distância entre cisternas e os cuidados com a contaminação do lençol freático, pode ser uma solução.

O indivíduo que decidir transformar sua vida a partir destas alternativas, precisa de cara entender que agora ele necessitará de  um estilo de vida baseado no “ecologicamente correto”, afinal, para quem se adequá a isto, acaba que começa a mudar os hábito, como,com os sistemas solares e eólicos adequados, será possível utilizar a maior parte dos utensílios e aparelhos domésticos, mas não necessariamente ao mesmo tempo. Se estiver usando um secador de cabelos, evite usar o microondas. Se ligar o liquidificador, desligue o aquecedor. Os produtos que mais consomem eletricidade como máquinas de lavar devem ser usados à noite, quando outras necessidades de energia são mínimas. Os verdadeiros discípulos do movimento de volta ao campo nem sequer usariam uma lavadora e um secador. O correto mesmo seria optar por lavar as roupas à mão e secá-las em um varal.

Fonte: G1 / HowStuffWorks / Tecverde