Ibama concede licença para instalação de canteiro de obras de Belo Monte

No dia de ontem (26) o Ibama liberou em seu site “Ibama emite Licença de Instalação para atividades associadas à usina hidrelétrica Belo Monte” se não bastasse isto, outros sites também se manifestaram em relação a esta notícia.

A usina de Belo Monte será a terceira maior do mundo, com capacidade de 11.233 MW (megawatts), atrás da chinesa Três Gargantas, com 22,5 mil MW, e da binacional Itaipu, com 14 mil MW.

Muitas ONGs vem se pronunciando em relação a construção da Hidrelétrica, até mesmos e seria viável ou não. O MPF-PA poderá entrar com uma ação judicial contra a licença concedida pelo Ibama:

“Precisamos ainda avaliar o teor dessa permissão. Mas é fato que, ao conceder licença para a instalação física da obra sem o cumprimento das condicionantes, o Ibama está colocando a região em alto risco social e ambiental. Não houve nenhuma preparação estrutural para receber operários e máquinas e, muito menos, para a população que será atraída pelo empreendimento, sem chance de ser aproveitadas na obra, direta ou indiretamente. Estamos muito preocupados com o que pode acontecer”, declarou o procurador da República no Pará, Ubiratan Cazetta.                                                                              Yahoo notícias

Ao meu ver, o que mais esbarra nesta construção da hidrelétrica de Belo Monte são os Impactos Ambientais (socioambientais) que podem ser gerados posteriormente a instalação e operação da obra. A Folha apresentou um infofráfico bem interessante sobre os “nós” desta “novela”.

 

11026595

Pela imagem fica bem fácil de compreender o que pode estar por vir. Sou de uma cidade que está rodeada de barragens. Minaçu/GO tem a Usina de Serra da Mesa e a Usina de Cana Brava em seu entrorno. Os rios eram de grandes vazões, porém o maior impacto registrado por lá foi de perda de área por inundação.

4bde9c01-0ce1-4223-ba71-eb5949e58e21_belomonte

A questão da perda de vazão é um agravante bem sério, pois pode influenciar na quantidade de peixes e outros organismos que ali se reproduzem, além de interferir na agricultura e economia dos ribeirinhos que poderão ser atingidos.

Analisando todos os fatos, percebe-se que parece ser uma luta em vão. Achoq ue mais do que nunca está na hora de nós (blogueiros) ambientais mostrarmos para que é que nós existimos. O primeiro passo já foi dado pelo Ibama… e agora?

Mais informações: E Esse Tal Meio Ambiente?