Novos ministros da agricultura e meio ambiente, o que falam sobre eles?

Hoje, 12 de maio de 2016, dia histórico para o Brasil, dia em que a Presidenta Dilma sai e entra Michel Temer, que empossa seus novos ministros, dentre eles tenho dois a me interessar, são eles, o ministro da Agricultura  Blairo Maggi do PP (antes Katia Abreu) e o ministro do meio ambiente, Sarney Filho do PV (antes Izabela Teixeira). MichelTemer_Ministros De ante mão percebo que no meio dos profissionais em meio ambiente, a nomeação de Maggi não agradou muito, é um misto de preocupação, nisto, fui procurar quem é o homem:

O novo ministro da Agricultura, Blairo Maggi, é conhecido por ser um dos maiores produtores e exportadores de soja do país.

O primeiro mandato de Maggi foi em 1994, como primeiro suplente do senador Jonas Pinheiro (PFL/MT). Foi eleito governador do Mato Grosso em 2002 e reeleito em 2006. Em 2011, elegeu-se senador pelo estado do Mato Grosso.

Formado em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná, Maggi é natural de Torres (RS) e tem 59 anos. Em 1973, fundou a empresa Sementes Maggi, que hoje transforou-se no Grupo Amaggi, com atividades que incluem, além da produção de soja e sementes, operações portuárias, transporte fluvial e geração de energia elétrica.

Em 2013, Maggi foi eleito presidente da Comissão de Meio Ambiente do Senado, o que causou a revolta de movimentos ligados ao setor. Em 2005, quando era governador de Mato Grosso, Maggi recebeu o antiprêmio Motosserra de Ouro, criado pelo Greenpeace para personalidades que contribuem para o desmatamento da Amazônia.

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal determinou o arquivamento do inquérito contra Blairo Maggi relacionado à Operação Ararath, da Polícia Federal. Maggi era investigado por suspeita de lavagem de dinheiro no governo de Mato Grosso. Fonte

Confesso que também não gostei muito da indicação do homem, como disseram em um grupo ambiental que participo, seria melhor se fosse escolhido  por suas qualificações, o que não é o caso (sem considerar a questão de corrupção que está envolvido)! E ainda tive que ler isto em uma matéria de 2011: “dos 12.576 km² desmatados no estado do Mato Grosso, apenas 4.176 km² foram feitos de forma legal. Enquanto as árvores caíam na floresta, o grupo do agronegócio de Maggi comemorava aumentos de 28% no faturamento e de 21% na área plantada. Blairo Maggi não esconde sua opinião: “Esse negócio de floresta não tem o menor futuro”, afirmou em entrevista” Fonte.

Já para o Ministério do Meio Ambiente, a coisa melhorou um pouco, claro, sem considerar os parentescos…:

Zequinha Sarney, já comandou a pasta do Meio Ambiente durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, entre 1999 e 2002, e foi secretário de Assuntos Políticos do Maranhão de 1988 a 1990. Participou da Assembleia Nacional Constituinte no grupo para Estudos da População e foi um dos autores dos dispositivos que tratam do planejamento familiar.

Na Câmara dos Deputados, Sarney Filho é membro titular das comissões permanentes de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, além de várias comissões especiais, como da Mineração, da Crise Hídrica no Brasil, da Exploração de Recursos de Terras Indígenas e da Regulação de Defensivos Fitossanitários. Coordena a Comissão Externa do Rompimento de Barragem na Região de Mariana-MG.

Pelo Prêmio Congresso em Foco, foi escolhido em 2009 pelos jornalistas que cobrem o Congresso Nacional como um dos melhores representantes da Câmara dos Deputados; em 2010, ficou entre os cinco parlamentares indicados como Destaque em Defesa do Meio Ambiente.

Sarney Filho possui atuação destacada na área do meio ambiente, sobretudo, nas discussões para prevenção de incêndios florestais e agressões a unidades de conservação e de ações de biopirataria. Em 1997, liderou a criação da Frente Parlamentar Ambientalista para o Desenvolvimento Sustentável, que coordenou até 1999. Atualmente, é membro do Conselho Consultivo da Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas). Fonte

De uma coisa a gente não pode duvidar, o cara tem um passado favorável ao meio ambiente e as causas ambientais! E é disto que precisamos.

Não estou aqui para defender um governo, um partido e muito menos uma pessoa ou outra, só acho que precisamos sempre conhecer quem está lá, no comando. Vejo muitas pessoas envolvidas com a área ambiental, pouco se lixando para a “questão ambiental”, e isto me preocupa muito. Também não estou aqui para defender ambientalistas, xiitas ambientais ou afins, estou aqui para observar que há pouca fiscalização ambiental, que muito se legisla, mas pouco se faz! O meio ambiente não é só a floresta, é comunidade, são ribeirinhos, é agricultura familiar, é saúde pública, e muito mais envolvido! Vir com o discurso apenas de desenvolvimento agrícola enquanto só o bolso de alguns engorda, é vago! A agricultura tem que ser considerada de vários pontos, assim como o meio (lugar) ambiente (sentimento de estar neste lugar) deve ser pautado e respeitado.

O desenvolvimento agrário deve andar em consonância com a conservação do meio ambiente! Mas, infelizmente não é isto que vimos na realidade, vê-se muito mais descasos do que um acompanhamento das leis que deveríamos colocar em prática e isto é preocupante! Muito mais preocupante é ver quem coloca isto em prática defendendo desmatamento e afins. 

O que resta a nós? Observar quais serão as mudanças, quais serão os caminhos defendidos por ambos representantes dos ministérios aqui citados. Um outro que me preocupa muito é o Ministro de Ciência, Tecnologia e Educação, Gilberto Kassab do PSD, mas aí é ouuuutra história!

Convido todos a acompanhar os próximos dias!

Ordem e progresso…