“Para proteger bacalhau, Canadá estuda matar 220 mil focas em 5 anos”

foca1_300_225

Esta é uma notícia considerava “velha”, datada de 28/05/2010. Mas creio que o seu objetivo não deve ter mudado muito. Sabe, eu fico horrorizada com certas ações do homem, algumas são malignamente pensadas e geralmente analisadas do ponto de vista ambiental, profissional e até mesmo considerando os impactos positivos e negativos de tais ações, acho que não é o que ocorreu nesta notícia.

O site G1 veio com este título “Para proteger bacalhau, Canadá estuda matar 220 mil focas em 5 anos”, logo que li achei algo meio que desprezível, sério!

As autoridades canadenses avaliam a possibilidade de matar 220 mil focas cinzentas ou esterilizar 16 mil fêmeas num período de cinco anos, na ilha Sable Island, costa leste, para proteger a pesca do bacalhau […]

[…] o Ministério de Pesca e Oceanos do Canadá estima que 300 mil focas cinzentas que vivem na região dizimam as populações de bacalhau.

“Se começarmos a matar focas para proteger o bacalhau, o morticínio deverá continuar durante séculos porque seus predadores naturais [como os tubarões] já foram dizimados. É um círculo vicioso”, disse Mark Butler, do Centro de Ação Ecológica de Halifax […]

Tanto a matança quanto a esterilização, decisões ainda não tomadas pelo governo; custariam entre US$ 20 milhões e US$ 35 milhões, exigindo o envio de veículos, combustível e trabalhadores.

foca2_300_225

Considero como abusivo este tipo de “decisão”. Não sei como está isto hoje em dia, espero que não tenham feito nem um nem outro. A cadeia alimentar existe, muito mais fácil (pelo menos eu acho), tentar preservar o predador das focas, diminuindo assim consideravelmente o número de indivíduos. Agora, encontrar a solução em, mortes, ou esterilização é praticamente ideia/atitude de não-profissionais.

E mais, a natureza se adapta, acredito muito. Mas querer conter seres vivos por causa de economia? Ai já é demais!!!