Poluição das águas

1

Há quatro dias atrás o @Mulletsp me pediu pelo twitter, se eu teria alguma estatística da regulamentação ambiental voltado para a poluição na água causada pelas indústrias Texteis!? Falar só de indústria têxtil é complicado, até porque não há apenas este tipo poluente nos rios, lagos e mares. Mas enfim, fiquei com isto na cabeça e decidi então escrever aqui na coluna, afinal a poluição das águas, não apenas vindas das indústrias, há de se ter uma preocupação maior.

Antes de falar sobre a tal poluição das águas e os impactos gerados pelas indústrias de tecido, é bom listar os tipos de poluição e também para que fixe o que é cada tipo de resíduo, aquele momento aulinha:

Materiais orgânicos degradáveis – passíveis de ataques bacterianos (biodegradáveis) constituem a maior parte do volume dos despejos em regiões costeiras, estuários e leitos (poluição orgânica).

resíduos agrícolas, especialmente fertilizantes(podem levar à eutrofização), insecticidas e dejectos animais (fosfatos, nitratos e silicatos) – o consumo de água com uma elevada percentagem de nitratos pode originar metaemoglobina infantil (oxidação incompleta da hemoglobina);

resíduos industriais – substâncias ácidas, sulfuretos, amoníaco, etc., provenientes da produção industrial paralisam as reacções bioquímicas dos peixes e provocam a morte do animal;

resíduos derivados do processamento de alimentos (ex.: matadouros, frigoríficos e usinas de açúcar, destilarias e fábricas de bebidas fermentadas);

Os produtos orgânicos mais frequentes são: os aminoácidos, os ácidos gordos, ésteres, detergentes, aminas, etc.

Os componentes inorgânicos encontram-se sob a forma de iões: sódio, cálcio, mangânes, cloro, nitrato, bicarbonato, sulfato e fosfato.

Poluientes concervativos – Constituintes naturais da água e vitais a vários organismos (a hemoglobina contém ferro; a hemocianina, cobre; e algumas enzimas, zinco). No entanto quando em elevadas concentrações estes metais podem ser tóxicos para determinados organismos. A toxicidade dos metais é de ordem inversa à sua ocorrência na natureza, isto é, o metal é tanto mais perigoso quanto menor for a sua abundância na natureza.

Ex: Mercúrios jogados na água, pelo processo de bioacumulação.

Os, hidrocarbonetos, ao contrário dos metais, não se encontram na natureza e constituem um grande número de compostos, tais como compostos voláteis (solventes e CFCs) e os pesticidas e PCBs.

Os solventes, utilizados na indústria têxtil, não são acumulativos nos organismos aquáticos. No entanto, os CFCs causam graves danos na camada do ozono e por isso estão a ser extintos.

A radioactividade é um fenómeno natural, sendo a água naturalmente radioactiva. As substâncias radioactivas interferem directamente nos átomos e moléculas que formam os tecidos vivos, provocando lesões celulares que podem levar ao cancro, alterações no material genético que podem acarretar mutações nas próximas gerações e modificações nas funções de certos órgãos do corpo.

Poluentes dissipativos são os despejos industriais como resíduos de salinas e o calor dos reactores nucleares, que quando em contacto com a água perdem as suas propriedades prejudiciais. A poluição causada por este tipo de poluente restringir-se-á a uma área próxima à fonte.

Ex: àgua de resfriamento dos reactores nucleares que contêm calor assim como as descargas de efluentes a altas temperatura (poluição térmica)

Resíduos sólidos – partículas suspensas (poluição física) como a fuligem; os plásticos e isopores, que não sendo tóxicos podem ser ingeridos por pássaros, peixes ou mamíferos acabando estes por morrer; entulhos provenientes de obras de engenharia; redes de pesca ( armadilhas fatais para golfinhos e pássaros).

Fim da aulinha rs, pois bem, o campo da engenharia sanitária tem evoluído rapidamente no desenvolvimento de métodos para o tratamento de águas residuárias, que é constituídos por uma série de operações e processos que são empregados para a remoção de substâncias
indesejáveis de água ou para transformação em outras de forma aceitáveis.
Os processos de tratamento são reunidos em grupos distintos: processos físicos, processos químicos e processos biológicos.

A remoção de substâncias indesejáveis de uma água residuária envolve a alteração de suas características físicas, químicas e/ou biológicas. A utilização de qualquer um dos processos acima poderá concorrer para essas alterações. um caso típico é ao submeter-se o esgoto sanitário a um processo físico de sedimentação de sólidos.

A maior parte dos poluentes atmosféricos reage com o vapor de água na atmosfera e volta à superfície sob a forma de chuvas, contaminando, pela absorção do solo, os
lençóis subterrâneos, ou seja, o ciclo ainda continua.

Nos últimos anos vem-se agravando a poluição nos rios, causada pela poluição industrial. Fábricas tem despejados quantias enormes de substâncias nocivas nas águas fluviais. Entre os poluentes industriais mais perigosos encontram-se os compostos de metais pesados (como o mercúrio e o chumbo), os resíduos das industrias de madeira e de pasta de papel e os detritos de indústrias petroquímicas e resíduos radiativos.

Poluição química das águas é um tipo de poluição de águas que atinge rios e oceanos.

a) Biodegradáveis – São produtos químicos que ao final de um tempo, são decompostos pela ação de bactérias. São exemplos de poluentes biodegradáveis o detergente, inseticidas, fertilizantes, petróleo, etc.

b) Persistentes – São produtos químicos que se mantém por longo tempo no meio ambiente e nos organismos vivos. Estes poluentes podem causar graves problemas como a contaminação de alimentos, peixes e crustáceos. São exemplos de poluentes persistentes o DDT, o mercúrio, etc.

Muitas pessoas preferem, por exemplo, beber a água cristalina de nascentes ou de poços artesianos em lugar de água de torneira que foi convenientemente tratada e distribuída. Freqüentemente, entretanto, a água dos poços e nascentes é contaminada pela proximidade com fossas e lançamento de esgotos. A contaminação se dá por infiltração através do solo, de tal maneira que as partículas em suspensão (causadoras da turbiez) ficam retidas neste, enquanto que as bactérias e vírus, por serem muito menores, atravessam o solo atingindo a água do poço ou da nascente, que embora “cristalina” passará a transmitir doenças.

Curiosidades

Aproximadamente, 5 milhões de pessoas morrem anualmente de doenças transmitidas pela água, tais como tifo, cólera, infecções diarréicas e esquistossomose. Em 1995, em Caruaru (PE), 68 pessoas morreram devido à hemodiálise realizada com água contaminada. Outro problema extremamente grave para a saúde é a falta de saneamento básico para 1,7 bilhão de habitantes dos 5,7 bilhões da população global. No Brasil, cerca de 40 milhões de habitantes não tem abastecimento nem rede coletora de esgotos.

Nas cidades e regiões agrícolas são lançados diariamente cerca de 10 bilhões de litros de esgoto que poluem rios, lagos, lençóis subterrâneos e áreas de mananciais. Os oceanos recebem boa parte dos poluentes dissolvidos nos rios, além do lixo dos centros industriais e urbanos localizados no litoral. O excesso de material orgânico no mar leva à proliferação descontrolada de microrganismos, que acabam por formar as chamadas “marés vermelhas” – que matam peixes e deixam os frutos do mar impróprios para o consumo do homem. Anualmente 1 milhão de toneladas de óleo se espalham pela superfície dos oceanos, formando uma camada compacta que demora para ser absorvida.

As que mais poluem através de resíduos químicos e biológicos:

Papel e Celulose, Química e Petroquímica, Refinação de Petróleo, Metalúrgica, Alimentação e Têxteis

Para saber quais são os impactos ambientais gerados pelas indústrias têxteis em geral, não apenas nas águas, mas no ar, solo, calor e energia CLIQUE AQUI e tenha uma visão masi ampla deste processo de impactos que uma fábrica pode causar, desde que não tenha um controle ambiental favoravel. Quer conhecer a Associação Brasileira de Indústria Têxtil e de Confecção? – ABIT – CLIQUE AQUI!

PS: Matéria postada no site Suspensa.info, na coluna “Contagem regressiva para o fim do mundo”