Projeto Enchentes – Quando as Redes Sociais Atingem sua Finalidade

Por @diegocasaes

Todos os anos diversas pessoas perdem suas casas e entes queridos em enchentes e deslizamentos de terra por todo o Brasil. As enchentes no Nordeste no primeiro semestre de 2009 e o desastre de Santa Catarina no final de 2008 são exemplos de como as forças da natureza atingem fortemente as habitações. Além disso, tais eventos são exemplos da inércia das autoridades públicas e da negligência da sociedade civil em relação à construções indevidas em locais considerados de risco, bem como, obviamente, a má administração dos recursos destinados à adaptações adequadas e criação de infra-estrutura para construção e manutenção de casas e prédios.

enchente

O resultado disso é que todos os anos os mesmos eventos de destruição de moradias acontecem, e mais pessoas perdem suas vidas por causa disso. Pensando nessa situação, e sensibilizada pelos recentes eventos de enchentes no país (não somente em Angra dos Reis, assim como em outros casos), a publicitária Cristiana Soares decidiu agir e mobilizou um grupo de internautas para reunir informações e todo tipo de conteúdo que possa, de alguma forma, auxiliar no registro das enchentes e se constituir em um serviço à sociedade. Dessa mobilização nasceu o Projeto Enchentes.
O Projeto Enchentes consiste em uma plataforma para agregar e organizar informação e conteúdo a respeito das enchentes que acometem diversos lugares e regiões do Brasil todos os anos. Com a mobilização de vários colaboradores, a Cristiana contou imediatamente com a ajuda de Micael Silva, que criou o blog do Projeto Enchentes, e com o apoio de Henrique Brandão, responsável por configurar inicialmente um mapa interativo com os dados fornecidos pelos internautas baseado no Google Maps. O mapa permite a contribuição pública de dados diversos relacionados às enchentes, como desvios de rota, locais de doações, abrigos, deslizamentos e outras informações relevantes à situação de emergência dos lugares afetados pelas chuvas torrenciais.
O surgimento do projeto se deu de uma conversa entre a Cristiana Soares e seus seguidores no Twitter. No post de inauguração do Projeto Enchentes, a Cristiana explica:

“Ontem, por volta das 23h, assistindo ao telejornal, vi cenas comoventes dos desabamentos de terra e águas em profusão que mataram pessoas. Muitas estavam dormindo no aconchego do seu lar. Muitas da mesma família ou grupos de amigos. Ao ouvir os relatos dos sobreviventes, pensei: “Já imaginou o que deve sentir uma pessoa que perde vários membros da família de uma só vez?” Não consegui nem mesmo vislumbrar uma dor assim. E minha única reação foi passiva: chorar.

Em seguida, olhei ao meu redor e lá estava eu abrigada, alimentada, na segurança da minha casa. E a poucos passos de um computador com banda larga. Foi quando me bateu uma revolta: “Para que mesmo servem as redes sociais, das quais, nós, publicitários, jornalistas e blogueiros nos orgulhamos tanto?” Quais funções realmente úteis elas teriam?

E lá fui eu para o Twitter. Comecei com esses questionamentos simples. Confesso que no começo me senti meio boba. Aquela que tem a pretensão de querer algo maior do que si mesma. E com um tantinho de vergonha, mas de forma assertiva e determinada, arrisquei minhas reflexões nos 140 caracteres.

E aí veio o mais legal: a reação das pessoas foi muito além do que eu imaginava. E em poucos minutos já havia duas hashtags rolando no Twitter. A primera: #enchentes. E, uma evolução dela: #projetoenchentes.”

O foco do Projeto Enchentes, no entanto, não se limita à doações para os afetados pelas cheias, mas sim uma “prestação de serviço, dentro das nossas possibilidades como profissionais da comunicação, no ambiente mais revolucionário dos últimos séculos: a internet” como afirmou a própria Cristiana no post inaugural. Para acompanhar as atualizações do projeto siga o blog, as hashtags usadas para a discussão do projeto no Twitter (#cheias, #projetoenchentes, #enchentes) ou mesmo a wave pública no Google Wave.
Para ajudar os desabrigados da enchentes visite a página de doações do Projeto Enchentes. Nessa página, há informações de como fazer donativos para os afetados pelas enchentes e deslizamentos de terra.
Esse post faz parte da #megablogagem para divulgar o Projeto Enchentes. Divulgue o projeto em suas redes de relacionamento e contribua você também!

Contato:https://diegocasaes.com/ | https://logged-in.org/ | https://globalvoicesonline.org/ | https://pt.globalvoicesonline.org/
Tweet me: @casaesdiego / @diegocasaes

____________________________

Eu estou longe destes focos de enchentes que estão deixando o povo brasileiro preocupado, mas ontem por intermédio de uma tuitada do @inagaki ví que estava acontecendo esta corrente e achei pertinente fazer parte  aqui do VivoVerde também e como eu não estou muito interada sobre o assunto achei melhor trazer alguém que está por dentro do assunto.

Dica: Siga o @infodoacoes que está disponibilizando informações objetivas sobre doações´para desabrigados da chuva.

Quer saber mais sobre a #megablogagem a respeito do projeto?

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do #VivoVerde, mora em Palmas/TO há 15 anos e há 11 escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduanda em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultora nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho. Contato: contato@vivoverde.com.br | daiane@vivoverde.com.br | Twitter - @DaianeVV | Instagram: @DaianeVV

11 comentários em “Projeto Enchentes – Quando as Redes Sociais Atingem sua Finalidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.