Carnaval de Salvador x foliões

De início, peço desculpa pelos dias sem postar aqui no BLOG, por estar finalizando a monografia. Creio que agora as coisas voltarão ao normal.

Quem diria uma das maiores festas brasileira, sendo apontada como prejudicial aos pulmões. O problema é devido à poluição causada em maior parte pelos trios e carros de apoio, fora caminhão e outros veículos que auxiliam na logística e serviços do carnaval. Estima-se que cada folião fica exposto de 8 a 12 horas, o que equivale a respirar em São Paulo em dias muito críticos 24 horas. Para se ter idéia, o material particulado que foi detectado na atmosfera do carnaval foi numa média de 200 microgramas por metro cúbico de ar. A Organização Mundial de Saúde (OMS) admite exposição a até 20 microgramas, em 24 horas.

Existem programas contra o desperdício em algumas localidades que optam por evitar ao máximo o uso de descartáveis; produzir o material necessário para eventos em papel reciclado e também reduzir a quantidade de materiais de divulgação, conseqüentemente diminuindo, também, os resíduos gerados. O que seria uma boa iniciativa, em relação ao carnaval de Salvador.

Em uma A Feira dos Agricultores Ecologistas, que acontece todos os sábados em Porto Alegre (RS), promove a campanha “Menos plástico mais saúde”, que inclui um dia por mês sem que os feirantes entreguem seus produtos em sacolas plásticas. A ação vai ser repetida no último sábado de cada mês, até setembro próximo.

Os feirantes dizem passar por lá cerca de 5 mil pessoas, esta iniciativa espera minimizar entre 25 e 30 mil sacolas plásticas em dia de feira.

São ações que ajudam o meio ambiente e também vão ajudando a população a cerca do que fazer em prol deste.

Fonte: Ambiente Brasil e ECOluna.

Sugestões: daianeea@gmail.com

Grata.

Daiane Santana.