O “fim” das águas contaminadas

Na matéria anterior apresentei a esponja espaguete que dispensa o uso de detergente, certo? Neste aqui a esponja é diferente. Com a ajuda da nanotecnologia um novo material de vidro tem a habilidade de limpar a água poluída por absorção de contaminantes como uma esponja. O que não pode fazer a nanotecnologia?

osorb

O material é chamado Osorb e tem propriedades incríveis. É um vidro reativa, permitindo que se ligam com gasolina e de outros poluentes que contêm compostos orgânicos voláteis, mas também é hidrofóbico, de modo a não vincular com a água. Quando recolhe os poluentes, ele incha até oito vezes o tamanho. Uma vez completo, ele flutua para a superfície a ser desnatado acima, retira-se os contaminantes e em seguida é reutilizado.

A substância pode revolucionar a poluição das águas subterrâneas, porque o custo é relativamente baixo e tem a capacidade de eliminar poluentes que outros métodos convencionais de limpeza não podem. Legal não é?

Já imaginou a esponja espaguete junto com esta aqui? Seu trabalho seria bem menor…

Fonte: CleanTechnica / EcoGeek.org

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do #VivoVerde, mora em Palmas/TO há 15 anos e há 11 escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduanda em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultora nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho. Contato: contato@vivoverde.com.br | daiane@vivoverde.com.br | Twitter - @DaianeVV | Instagram: @DaianeVV

8 comentários em “O “fim” das águas contaminadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.