Poluição do ar pode piorar o coronavírus, dizem assessores do governo do Reino Unido

Imagem de mohamed Hassan por Pixabay

Especialistas dizem que novas investigações são urgentemente necessárias e podem ser relevantes para o gerenciamento de pandemia.

É provável que a poluição do ar esteja aumentando o número e a gravidade das infecções por Covid-19, de acordo com os consultores especializados do governo do Reino Unido.

Em um relatório publicado na quarta-feira, os especialistas disseram que uma investigação mais aprofundada sobre a ligação entre o ar sujo e a pandemia de coronavírus é “necessária com urgência” e pode ser relevante para o gerenciamento da pandemia.

O relatório também constatou que os níveis de óxidos de nitrogênio, produzidos principalmente por veículos a diesel, caíram de 30 a 40% nas áreas urbanas durante o bloqueio, embora possam aumentar novamente à medida que as restrições forem atenuadas.

Os relatórios aumentam a pressão sobre os ministros para abordar a questão da poluição do ar e do coronavírus, após pedidos dos parlamentares por ações e avisos de advogados de que o governo tem a obrigação legal de revisar urgentemente sua estratégia de qualidade do ar.

Existem evidências crescentes de todo o mundo vinculando a exposição ao ar sujo ao aumento de infecções e mortes por coronavírus, com algumas sugerindo que ele desempenha um papel significativo. Mas excluir outros fatores possíveis é complexo e demorado, o que significa que uma conclusão definitiva ainda está para ser alcançada.

A exposição à poluição do ar está firmemente ligada ao aumento de doenças respiratórias e cardíacas e esses fatores podem aumentar o risco de sintomas graves do Covid-19, disse Alastair Lewis, da Universidade de York, presidente do grupo consultivo científico independente do governo do Reino Unido sobre ar. poluição. “Diante disso, não seria surpreendente se houvesse um vínculo entre a exposição à poluição do ar – passada ou presente – e a infecção pelo Covid-19”.

A seção do relatório sobre esse assunto foi escrita por outro grupo consultivo do governo, o Comitê de Efeitos Médicos dos Poluentes do Ar, presidido pelo Prof Frank Kelly, do Imperial College de Londres, e composto por 15 especialistas acadêmicos.

“Embora ainda não exista evidência empírica clara de que a exposição a poluentes do ar aumente a probabilidade ou gravidade da infecção pelo Covid-19, o conhecimento dos impactos da poluição do ar na saúde sugere que isso é provável”, concluiu o grupo.

“Interações potenciais entre a poluição do ar e o Covid-19 podem ser relevantes para o futuro gerenciamento da pandemia no Reino Unido e em outros lugares”, disse o comitê. Recursos médicos podem ser arrecadados em áreas poluídas, por exemplo.

A poluição do ar a longo prazo pode piorar o impacto do Covid-19 nos pacientes, enquanto a poluição a curto prazo pode irritar os pulmões e aumentar o risco de infecção. Traços do vírus também foram encontrados em amostras de poluição do ar, levantando questões sobre a propagação do ar ao ar livre. “É necessária uma investigação mais aprofundada de todos os mecanismos possíveis”, afirmou o comitê.

Em junho, advogados atuando no projeto Mums for Lungs e Good Law disseram aos ministros que o risco potencial à vida representado pela poluição do ar durante a pandemia significa que os ministros devem agir mesmo que as evidências ainda não sejam conclusivas. Estima-se que o ar sujo já cause 40.000 mortes prematuras por ano no Reino Unido.

Noventa parlamentares também instaram o governo a apoiar ações contra a poluição do ar para ajudar a evitar uma segunda onda de coronavírus, enquanto um inquérito sobre poluição do ar por um comitê selecionado de parlamentares está examinando atrasos na implantação de zonas de ar limpo nas cidades como resultado da pandemia.

O fracasso em considerar a poluição do ar como um fator nas taxas mais altas de mortes por coronavírus entre grupos étnicos minoritários, que são desproporcionalmente expostos, foi recentemente chamado de “surpreendente” e “totalmente irresponsável” pelos críticos de uma revisão da Public Health England.

Fonte: Theguardian

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do Portal VivoVerde, nascida e residente de Minaçu/GO e há 12 anos escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduada em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultor, ministra treinamentos nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho. Contato: contato@vivoverde.com.br | daiane@vivoverde.com.br | Twitter - @VivoVerde | Instagram: @DaianeVV | 063999990294

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.