Equipe técnica recebe curso sobre planejamento participativo para prevenção às queimadas

A preocupação com as recorrentes queimadas no Estado tem motivado o Governo do Tocantins a buscar parcerias e o apoio de diversas instituições para a prevenção e combate a incêndios. E com a proximidade do fim das chuvas, as instituições ambientais intensificam os trabalhos de articulação e planejamento para a prevenção das queimadas. No decorrer desta semana, entre os dias 08 a 12 de abril, uma equipe reuniu em Palmas para o curso “Metodologia Participativa do Projeto Cerrado Jalapão – Prevenção, Controle e Monitoramento de Queimadas Irregulares e Incêndios Florestais no Cerrado”.

O curso tem por finalidade instrumentalizar os técnicos das instituições parceiras do Tocantins por meio da metodologia participativa para que somem esforços no trabalho com as comunidades e com os municípios de forma integrada. A ideia é levantar o problema do fogo e buscar ações conjuntas, para o trabalho de prevenção desenvolvido pelas diferentes instituições. “Um exemplo que podemos citar é o trabalho que o Naturatins faz nos municípios, o Protocolo de Prevenção, Controle e Combate às queimadas, uma metodologia que também foi feita com o projeto Amazônia Sem Fogo”, exemplificou a coordenadora dos trabalhos e representante do PrevFogo/IBAMA, Lara Steil.

Segundo Steil, o curso está inserido nas atividades do Projeto Cerrado, coordenado pelo MMA – Ministério do Meio Ambiente com o apoio do Governo Alemão, por meio da cooperação técnica da GIZ – Agência de Cooperação Internacional do Governo da Alemanha, e da cooperação financeira por parte do banco de desenvolvimento alemão KFW.

Durante o curso, foram apresentadas e discutidas algumas ferramentas para o planejamento participativo, o que propiciou, ao final do curso, a formação de quatro grupos de trabalhos para elaborar um planejamento de um Protocolo Municipal de Prevenção e Controle do Uso do Fogo, com base em todas as ferramentas discutidas. “Esse exercício prático teve por base um planejamento participativo, pois acreditamos que é na discussão que se constrói os conhecimentos junto com os participantes”, disse.

Participaram do curso representantes do PrevFogo/Ibama – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis/Sistema Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais, da GIZ, da Funai – Fundação Nacional do Índio, Instituto Natureza do Tocantins, Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Ruraltins, entre outros.

Protocolo do Fogo
O Protocolo Municipal de Prevenção e Controle do Uso do Fogo, criado em agosto de 2005, é um acordo assinado de maneira voluntária pelos diversos segmentos organizados da sociedade com o propósito de nortear os trabalhos de prevenção à ocorrência de queimadas e incêndios florestais, a partir de ações de mobilização e sensibilização social. O acordo é firmado por dois anos e sua renovação depende do interesse das entidades envolvidas, mas principalmente do gestor municipal.

Fonte: Ascom/Naturatins