Planejamento urbano sustentável: um caso de sucesso no Brasil

Esta matéria basicamente vem mostrar como é possível uma grande cidade desenvolver-se de forma plena dentro de processos 100% sustentáveis com muita lucratividade e geração de empregos.

A referência que escolhemos foi a cidade de Curitiba no Paraná, Brasil, que em 2010 ostentava a posição de grande exemplo mundial para a sustentabilidade sendo matéria principal em vários (e importantes) sítios internacionais sobre meio ambiente, entre eles o UNEP.ORG que é o site da ONU (Organização das Nações Unidas) para ações ambientalistas.
Curitiba foi uma fonte inspiradora para muitas cidades do Brasil e de todo o mundo.

O que acontece é que com o rápido crescimento das áreas urbanas na Terra, os desafios ambientais e socioeconômicos (principalmente com a expansão informal das “favelas”) para os moradores, empresas e prefeituras são uma constante.
Isso requer ações inteligentes duradouras e principalmente em conjunto com toda (ou pelo menos a maioria) população envolvida.
Com planejamento adequado e finanças bem controladas e bem direcionadas principalmente de forma transparente, é realmente possível fazer um bom trabalho.
O Brasil com uma taxa anual de crescimento urbano de 1,8% entre 2005 e 2010, detendo o maior índice de crescimento populacional urbano do mundo atrás apenas de China, Índia e Estados Unidos, não deve e não pode ficar do lado de fora do que podemos chamar de “busca permanente de soluções ambientais urbanas”.

Veja os dados impressionantes de nossa cidade exemplo.

ALGUMAS AÇÕES E BENEFÍCIOS:

  • Através de abordagens inovadoras de planejamento urbano, gestão inteligente da cidade e do transporte que tiveram início na década de 1960, Curitiba passou de uma população de 361.000 (em 1960) para 1,828 milhões (em 2008) sem experimentar inconvenientes típicos de congestionamento, poluição ou redução de espaço público. Ao contrário, a densidade de população na cidade aumentou três vezes e ao mesmo tempo a área média de verde por pessoa aumentou de 01 quilômetro quadrado para mais de 50 quilômetros quadrados;
  • Considerado um dos elementos chave do sucesso curitibano a escolha do método de crescimento chamado de “padrão linear de ramificação radial”, protegeu tanto a densidade demográfica quanto as áreas verdes;
  • O uso inteligente do solo, bom plano de zoneamento, fornecimento de infraestrutura para o transporte público, desvio do tráfego do centro da cidade, apoio habitacional e implantação industrial ao logo dos eixos radiais complementam o método de crescimento;

  • Curitiba tem a maior taxa de utilização do transporte público no Brasil (45% das viagens);
  • Um dos melhores índices do país em baixa poluição atmosférica urbana;
  • Uso de combustível é 30% menor do que em outras grandes cidades do Brasil;
  • Valor estimado em perda de recursos e prejuízos (per capita) causados por congestionamentos foi 13 vezes menor do que o de São Paulo;
  • Incluindo o custo de relocação de moradores das favelas, ao transformar áreas vulneráveis a inundações em parques com muitas árvores plantadas e criar lagos artificiais para conter as enchentes, conseguiu resolver seu problema de inundações com custo 05 vezes menor do que o da construção de canais de concreto para drenagem;
  • Aumentou as receitas fiscais com a valorização imobiliária da região;

  • O governo local criou a Cidade Industrial de Curitiba (CIC) no lado oeste da cidade levando em consideração a direção do vento para evitar a poluição da cidade central. O CIC tem rigorosas normas ambientais e de poluentes. Responsável por 20% das exportações do estado, após três décadas acomoda hoje mais de 700 empresas, incluindo uma montadora ônibus BRTs, produtoras e empresas de tecnologia da informação gerando mais de 50.000 empregos diretos e 150.000 empregos indiretos;
  • A conscientização pública sobre a separação de resíduos e reciclagem dentro de uma gestão que oferece infraestrutura, recicla13% de seu “lixo” sólido, contrastando com o “pobre” 1% de reciclagem em São Paulo;

Podemos concluir até como um “estudo de caso” que, planejamento urbano inteligente pode evitar custos significativos no futuro e melhorar a produtividade, eficiência e qualidade de vida para seus habitantes.

Você concorda?
Grande abraço!

Por Tomé Ferreira

Imagens:
curitiba.pr.gov.br