Sensoriamento Remoto, Geoprocessamento e suas aplicações

O Sensoriamento remoto é composto ativamente de diferentes maneiras por diversos autores, sendo a definição mais usual a adotada por Avery e Berlin (1992) e Meneses (2001): uma técnica para obter informações sobre objetos através de dados coletados por instrumentos que não estejam em contato físico como os objetos investigados. Por não haver contato físico, a forma de transmissão dos dados (do objeto para o sensor) só pode ser realizada pela Radiação Eletromagnética, por ser esta a única forma de energia capaz de se propagar pelo vácuo. Considerando a Radiação Eletromagnética como uma forma de energia, o Sensoriamento Remoto pode ser definido com maior rigor como uma medida de trocas de energia que resulta da interação entre a energia contida na Radiação Eletromagnética de determinado comprimento de onda e a contida nos átomos e moléculas do objeto de estudo. Quando se fala geoprocessamento, é até engraçado a cara que algumas pessoas fazem ao escutar esta palavra, mas isto é apenas para algumas pessoas, que não têm o costume de escutá-la. Esta é uma parte da disciplina do conhecimento que utiliza técnicas matemáticas e computacionais para o tratamento da informação geográfica e que vem influenciando de maneira crescente as áreas de Cartografia, Análise de Recursos Naturais, Transportes, Comunicações, Energia e Planejamento Urbano e Regional. As ferramentas computacionais para geoprocessamento, chamadas de Sistemas de Informação Geográfica GIS – sigla em Inglês para SIG -, permitem realizar análises complexas, ao integrar dados de diversas fontes e ao criar bancos de dados geo-referenciados. Tornam ainda possível automatizar a produção de documentos cartográficos. Com o avanço tecnológico, reuniões de especialistas em congressos, simpósios dentre outras formas de trocas de informações, pode-se observar “algumas” aplicações:
  • atualizar a cartografia existente;
  • desenvolver mapas e obter informações sobre áreas minerais, bacias de drenagem, agricultura, florestas;
  • melhorar e fazer previsões com relação ao planejamento urbano e regional;
  • monitorar desastres ambientais tais como enchentes, poluição de rios e reservatórios, erosão, deslizamentos de terras, secas;
  • monitorar desmatamentos;
  • estudos sobre correntes oceânicas e movimentação de cardumes, aumentando assim a produtividade na pesca;
  • estimativa da taxa de desflorestamento da Amazônia Legal;
  • suporte de planos diretores municipais;
  • estudos de Impactos Ambientais (EIA) e Relatórios de Impacto sobre Meio Ambiente (RIMA);
  • levantamento de áreas favoráveis para exploração de mananciais hídricos subterrâneos;
  • monitoramento de mananciais e corpos hídricos superficiais;
  • levantamento Integrado de diretriz para rodovias e linhas de fibra ótica;
  • monitoramento de lançamento e de dispersão de efluentes em domínios costeiros ou em barragens;
  • estimativa de área plantada em propriedades rurais para fins de fiscalização do crédito agrícola;
  • identificação de áreas de preservação permanente e avaliação do uso do solo;
  • implantação de pólos turísticos ou industriais;
  • avaliação do impacto de instalação de rodovias, ferrovias ou de reservatórios;
Existem também formas de sensoriamento remoto que utilizam satélites que são freqüentemente usados para definir objetos fabricados pelo homem e que estejam na órbita da Terra de forma geo-estacionária ou polar. Algumas das informações colhidas por satélites meteorológicos, como o GOES-8, incluem temperatura nas camadas superiores da atmosfera, umidade do ar e registro da temperatura do topo das nuvens, da Terra e do oceano. Os satélites também acompanham o movimento das nuvens para determinar a velocidade dos ventos altos, rastreiam o movimento do vapor de água, acompanham o movimento e a atividade solar e transmitem dados para instrumentos meteorológicos ao redor do mundo.

Mas os tipos de satélites utilizados atualmente vão ficar para um próximo poste. Este poste é dedicado á todos os estagiários do Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídric

os da Universidade Estadual do Tocantins, por ser um assunto á pedido dos mesmos.

Fonte:
Sensoriamento remoto e suas aplicações para recursos naturais. Tania Sausen

Glossário – CPTEC
______________

DICA:

XIVSBSR – Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto.
Centro de Convenções de Natal
Natal – RN, 25 a 30 de abril de 2009
Mais informações – https://www.dsr.inpe.br/sbsr2009

Daiane Santana

Daiane Santana, é Engenheira Ambiental, formada pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduanda em Gestão de Recursos Hídricos e blogueira à dois anos. Mora em Palmas/TO. Trabalha hoje no NATURATINS, na área de outorga e uso da água.

5 comentários em “Sensoriamento Remoto, Geoprocessamento e suas aplicações

  • 21 de abril de 2008 em 13:02
    Permalink

    Ahaaa Uhuuuu
    esse blog é muito massaaa!!
    =D
    isso de sensoriamento de controle remoto deve ser bem mais prático né, num precisa nem sair do sofá…
    ;p
    ta vendo, eu disse q essa menina tem futuro sô, ela pensa em td!
    bjão Dayyy
    só zueira ueheueh

  • 23 de abril de 2008 em 0:32
    Permalink

    DS2
    🙂

    É eu te conheço de outras épocas né…
    E quem diria que você viu o meu comentário lá.
    Ontem mesmo contava esta mesma história a um amigo…
    é uma pena não ser lá tanta coisa hoje né
    mas de qualquer forma é um prazer conhece-la e saber que nós ainda podemos de alguma forma conhecer pessoas legais por todo este mundinho!!!
    🙂
    Beijos e obrigado por compartilhar as idéias.

  • 24 de abril de 2008 em 22:14
    Permalink

    ia só mandar um ;*

    mas como tive q digitar uns 50 caracteres p enviar essa msg então devo aproveitar melhor o “espaço”.

    kkk

    gostei do blog.. ;*** só n faça parceria com o partido verde!! kkk

  • 5 de abril de 2009 em 11:36
    Permalink

    Informações claras e precisas: isto é ótimo.
    Estou realizando um trabalho sobre a relação do sensoriamento remoto com as fontes de energia existentes.
    Deu um panorama geral. Muito bom.

  • 5 de abril de 2009 em 22:20
    Permalink

    OPa… muito obrigada Samyra!!

    Fico feliz que tenha gostado e espero que mais posts possão te ajudar 😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.