Uma chuva e o trovão dos trovões

Considerando que uma tempestade no Tocantins pode ter causado apagão no país… Hoje, eram  por volta de umas oito da manhã, confesso que ainda estava na cama, mas acordada, percebi que estava ocorrendo uma chuva mega torrencial, daquelas de arrancar árvores, bom, não sei se arrancou em algum lugar da cidade, só sei que as que ficam na frente da minha janela se contorceram demais. Foi o tipo de chuva que você pensa, “Que bom que estou em casa!” e principalmente “Que bom que onde eu moro não alaga!” Se fosse apenas isto, ok! O problema é que de uma hora para outra escutei um trovão que o denominei “O trovão dos trovões!” Sério, eu não sou de ter medo de trovões, até porque a explicação de trovão é bem mais cômoda:

Raios e Trovões - Foto: Google Imagens
Raios e Trovões – Foto: Google Imagens

trovão é o som gerado pela onda de choque provocada pelo aquecimento e subsequente expansão supersônica do ar atravessado por uma descarga eléctrica (o raio) produzida por uma trovoada.

Viu só? É apenas o som… Mas o que me deixa com medo mesmo é o que vem depois.. o raio! Saiba como eles se formam.

Uma história minha: Uma vez em uma viagem, paramos em um posto para almoçar e ficamos de conversa fora do carro e com um chuvisco torrencial, até então tudo bem, de repente uma estalo e um clarão tomou conta de tudo do outro lado da estrada, quem era vivo PULOU, e pulou foi alto! Eu quase morri de medo, porque estávamos há uns cinquenta metros de distância apenas, logo vimos que o alvo foi uma árvore e a fumaça e uma pequena labareda se soltou, confesso que foi O MAIOR  susto da minha vida! Mas esta foi apenas uma história, com certeza vocês devem ter outras melhores… (rs). Há, tinha um cão do nosso lado, ele sim se assustou, coitado!

Mas e você? Sabe como se formam os raios e trovões ?

O atrito de pequenas gotas de água, condensadas em nuvens, arrancam elétrons de umas transferindo-os para outras. As nuvens formadas podem, então, conter enormes quantidades de cargas elétricas. Quando as gotas acumulam uma quantidade de cargas muito grande, de tal forma que as forças envolvidas não mais conseguem mais mantê-las, pode ocorrer a movimentação de elétrons. Como resultado, têm-se enormes faíscas, que conhecemos como raios. Esses raios possuem uma quantidade enorme de energia. Parte dessa energia pode se transformar em calor, fazendo com que o ar ao redor dos raios se “inflame”, produzindo um clarão, denominado de relâmpago. A expansão do ar aquecido pela energia do raio provoca um ruído, denominado de trovão. (CDCC)

Gostaram? Conhecer isto é bom, o ruim é estar em meio a tudo isto enquanto se está despreparado  sem proteção! Ontem e hoje eu estava corrigindo os títulos do blog desde o início e passei por várias matérias, vi que no início do blog eu escrevia mais, conversava mais com os leitores, tinha uma interação bem maior que hoje, não ficava vinculado apenas e somente só às redes sociais, acho que preciso voltar a fazer isto! Se gostaram deste post, por favor, comentem! Como diriam: “o aplauso é a inspiração do músico!”, acho que trazendo para cá seria: “o comentário é a inspiração do blogueiro!”, ou algo assim! (rs)

E pensando nesta interação, perguntei:

Responda: Quando há uma chuva muito forte o que você faz ou é obrigado a providenciar? Você sabe quando uma churra muito torrencial pode ocorrer?

Monique Marie Emoingt Futscher: acho que pelo modo como o dia está, dá para se imaginar ” aquele ” temporal … e se for possível fico em casa .

Leonardo Borges: Aqui no Rio, quando o vento é sudoeste é sinal de mudança de tempo/chuva. Geralmente quando a “tormenta se avizinha”, já pegamos um balde e alguns panos, pois o vento às vezes é tão forte que a água entra pelo vão entre as janelas e entre a janela e o parapeito, na varandinha aqui de casa, tamanho é a força do vento. Fora isso é ficar admirando a quantidade absurda de raios que cai por aqui e tirar os aparelhos elétricos das tomadas, pois há bastante risco de queda de energia.

Obrigada queridos pela participação!

Fontes: Wiki e Física CDCC 

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do #VivoVerde, mora em Palmas/TO há 15 anos e há 11 escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduanda em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultora nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho. Contato: contato@vivoverde.com.br | daiane@vivoverde.com.br | Twitter - @DaianeVV | Instagram: @DaianeVV

Um comentário em “Uma chuva e o trovão dos trovões

  • 6 de fevereiro de 2014 em 20:54
    Permalink

    Nossa, aqui em Recife não há muito raios e trovões, quando tem não são de tanta intensidade. Daí nunca me assustei. Uma vez fui a Palmas e já fiquei surpreso com os trovões de lá, o barulho é muito alto. Mas Neste começo de ano levei o MAIOR susto com um trovão em Buenos Aires, pensei até que o hotel em que me hospedava estava caindo hehehe. O hotel tinha uma área interna e quando saí para ver o que era, percebi que o medo não era só meu. Foi realmente o o maior susto com trovões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.