Brasil é modelo de recuperação de áreas degradadas, diz comissão da FAO

Algumas práticas adotadas na agropecuária brasileira foram consideradas um exemplo de estratégia de pecuária associada ao desenvolvimento sustentável e recomendadas pela Comissão de Desenvolvimento da Pecuária para a América Latina e o Caribe (Codegalac), da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), capítulo Cone Sul, durante a sua 10ª reunião.

No encontro, que terminou na sexta-feira (19) e foi realizado em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o principal alerta foi o crescimento de mais de 3,7% por ano da pecuária na região, relacionado à redução da área de florestas. De acordo com a Codegalac, 70% dos pastos hoje estão em processo de degradação.

Esse processo aumenta a vulnerabilidade às mudanças climáticas e à produção de gases de efeito estufa. Além disso, a Amazônia está entre os ecossistemas mais afetados com a expansão da agropecuária.

No entanto, os países do Cone Sul, maiores exportadores de carne no mundo, devem ter mais oportunidades no mercado mundial, já que a expectativa é que o consumo de carne seja duplicado nos próximos 20 anos.

Como os principais importadores de carne exigem cada vez mais que a produção ocorra em áreas ambientalmente sustentáveis, os governos devem desenvolver urgentemente mecanismos e políticas para conter o avanço para área vulneráveis, o que aumenta os níveis de desmatamento, degradação do solo, perda de biodiversidade e de recursos hídricos.

Os países devem contar com apoio da FAO para formular uma marco orientador para desenvolver políticas e programas de gestão agro-ambiental e inovação tecnológica, além da recuperação de áreas já degradadas pela agropecuária.

Vai ser criado um grupo de trabalho de centros de pesquisa da região, liderado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), para elaborar uma proposta de ação e avaliação técnica, econômica e ambiental das tecnologias disponíveis para recuperação das áreas degradadas e intensificação sustentável da produção pecuária. (Fonte: Ana Luiza Zenker/ Agência Brasil)

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do #VivoVerde, mora em Palmas/TO há 15 anos e há 11 escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduanda em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultora nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho. Contato: contato@vivoverde.com.br | daiane@vivoverde.com.br | Twitter - @DaianeVV | Instagram: @DaianeVV

2 comentários em “Brasil é modelo de recuperação de áreas degradadas, diz comissão da FAO

  • 23 de outubro de 2008 em 23:14
    Permalink

    Olá. Estou fazendo um trabalho sobre recuperação de áreas degradadas, é possível especificar quais são as práticas adotadas na agropecuária brasileira consideradas como exemplo de estratégia de pecuária associada ao desenvolvimento sustentável?

  • 23 de outubro de 2008 em 23:28
    Permalink

    Creio eu que sim…

    Na verdade eu não sou muito de acreditar em um …. DESENVOLVIMENTO SUSTENTáVEL … aqui em meu BLOG mesmo eu falo sobre o DESEMPENHO AMBIENTAL … que é a ideologia que eu sigo…

    Mas neste contexto que você colocou eu creio sim que haja como especificar sim as práticas adotadas na agropecuária que sejam associadas ao DESEMPENHO AMBIENTAL …. porque o desemprenho ambiental mostra o que vai ter de ganho e também o que vai ter de perdas… e sabe-se que a agropecuária é uma prática que denigre MUITO o meio ambiente … e o DESEMPENHO AMBIENTAL … procura questionar estes 2 pontos…

    Não deixando que gere ECONOMIA e também …. amenizando os IMPACTOS AMBIENTAIS …

    PS1: no momento não me vem a mente medidas mitigadoras para a agropecuária… mas farei um poste no BLOG sobre isto o quanto antes…

    PS2: valo a pena ler o poste sobre DESEMPENHO AMBIENTAL ^^

    Você entenderá do que se trata com mais clareza!

    obrigada pela visita

    e

    volte sempre!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.