União Européia aprova metas para energia renovável, mas limita biocombustível de cereal

Em meio à polêmica sobre a viabilidade dos biocombustíveis, os eurodeputados buscam limitar o desenvolvimento dos mesmos, sem no entanto modificar o objetivo global da UE (União Européia) de ter 10% de energias renováveis no combustível consumido no bloco até 2020.

A comissão de Indústria e Energia da Eurocâmara aprovou na quinta-feira (11) um projeto de lei que inclui a meta de 10% de renováveis nos transportes, mas considera que pelo menos 40% das energias utilizadas devem proceder da eletricidade ou do hidrogênio e de biocombustíveis de “segunda geração”, menos poluentes.

Entre os biocombustíveis, os eurodeputados citam de forma específica os produzidos a partir de dejetos, biomassa e algas, assim como os obtidos a partir de cereais cultivados em terras agrícolas muito degradadas.

No que diz respeito aos biocombustíveis disponíveis atualmente, como por exemplo os produzidos na Europa a partir de colza, poderão continuar sendo desenvolvidos para alcançar o objetivo vinculante de 10% em 2020.

“Freamos esta loucura de investimentos na primeira geração de biocombustíveis”, disse o autor do texto parlamentar, o eurodeputado Claude Turmes.

Os subsídios aos biocombustíveis nos Estados Unidos, Canadá e a UE chegaram a US$ 11 bilhões em 2006, e este número deve subir para US$ 25 bilhões por ano até 2015, destacou em julho passado a OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que reúne 30 países industrializados, em um relatório.

Os biocombustíveis são objeto de uma crescente polêmica, pois os críticos afirmam que eles contribuem para a alta dos preços dos alimentos, o desmatamento e o deslocamento de populações nos países pobres.

No entanto, para os defensores, os biocombustíveis podem ser usados para reduzir a dependência do petróleo e combater o aquecimento global, ao diminuir as emissões de gases que provocam o efeito estufa geradas por combustíveis fósseis.

Os Estados Unidos, que produzem biocombustível a partir do milho, são os maiores produtores de etanol, com 48% do total mundial em 2007. O Brasil vem logo atrás, com 31% da produção mundial de etanol, fabricado a partir da cana-de-açúcar. A UE representa 60% da produção mundial de biodiesel, extraído de óleos vegetais.

Segundo pesquisa publicada na quinta-feira, quase dois terços dos europeus (62%) colocam a mudança climática entre os principais problemas mundiais, e consideram que nem as empresas, nem os governos, nem eles próprios fazem o suficiente para combatê-lo.

Somente os cidadãos de República Tcheca, Itália e Portugal não colocam a questão entre os três problemas mais graves do mundo, de acordo com esta pesquisa Eurobarômetro efetuada no início de maio entre 30 mil pessoas.

Fonte: Folha Online

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do #VivoVerde, mora em Palmas/TO há 15 anos e há 11 escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduanda em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultora nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho. Contato: contato@vivoverde.com.br | daiane@vivoverde.com.br | Twitter - @DaianeVV | Instagram: @DaianeVV

Um comentário em “União Européia aprova metas para energia renovável, mas limita biocombustível de cereal

  • 19 de setembro de 2008 em 14:58
    Permalink

    eu acho massa esse tipo de protesto, mas tenho minhas limitações… apesar de ser uma tipo de pressão, ela é mil vezes mais branda que um ato público e presencial.
    mas, fazemos oq podemos.

    blogueiros do mundo, uni-vos rsss
    :*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.