Indicação de confinamento #3

No dia 14 de abril em Palmas/TO caía uma chuva torrencial, em diversas quadras da cidade ocorre a clássica falta de energia que – para surpresa geral da nação tocantinense – não foi provocada por um carro apaixonado por postes e, enquanto isso, rola uma live de Teresa Cristina sobre Zé Keti.

Sim, está coluna aqui é para falar sobre cultura, eu sei meus colegas leitores, mas sei também que vocês entendem que nesses tempos de coronga é preciso falar das coisas que nos tocam. E tudo começou hoje com uma foto que recebi da querida amiga Gil Doliath.

Filho e Pai

O irmão dela, Gilson, enviou esta imagem acima dele cortando o cabelo do pai, isso me emocionou de uma forma que me deu vontade de escrever sobre, mesmo que eu não soubesse ainda qual seria o foco da minha atenção. Só que durante meu dia essa ideia escapou das mãos, ao ver a Cristina ela voltou. Veio por causa da força do samba que ela canta com uma leveza e beleza que lhe é característica.

Aquela imagem em que o filho corta o cabelo do pai e que aparece algo quase infantil é um momento que poucos de nós temos o privilégio de participar, eu tive. Meus olhos lacrimejaram automaticamente. É o simples retorno das aulas que, como filhos, recebemos de como lidar com o surgimento da barba.

O homem tem vergonha de transparecer insegurança, até em um momento simples como um corte de cabelo, então papai que não estava bem queria se sentir melhor, afinal, a barba feita era necessária, gostava de cuidar-se. Tinha comigo uma máquina e por isso veio o pedido que não foi prontamente atendido, estava distraído com os irmãos, com as refeições que tinha que fazer, com os remédios. Até que uma hora ele me perguntou se eu não queria fazer, entendi o tamanho do meu vacilo.

“Papai é claro que eu quero, desculpa”, busquei o creme, passei no pescoço e rosto, passei a máquina até deixar do jeito que gostava, durante o processo conversamos e sorrimos, como na foto. Foi assim porque é um momento que nos permitimos, como é bom lembrar desse carinho.

Carinho.

O que falta quando estamos sozinhos nessa quarentena.

Daí o gatilho da live de Teresa Cristina, palavra tão repetida nos comentários que passam pela tela, veio com a canção “Diz que fui por aí” do querido Luiz Melodia cantada por Marcelle Motta:

“Se alguém perguntar por mim
Diz que fui por aí
Levando um violão debaixo do braço
Em qualquer esquina, eu paro
Em qualquer botequim, eu entro
E se houver motivo é mais um samba que eu faço
Se quiseres saber se eu volto diga que sim
Mas só depois que a saudade se afastar de mim
Mas só depois que a saudade se afastar de mim”

Teresa Cristina – Divulgação

E logo depois vem de lá a sacanagem também, afinal somos todos merecedores! Precisamos brincar, falar sobre como chegar  em uma cerveja “cu de foca”, também conhecida por “canela de pedreiro”, a relação da música com o cinema, ou as brincadeiras com os clubes de futebol, a importância de Antônio Pitanga na cultura nacional e Cristina com toda a seu conhecimento conversa com seus seguidores diariamente, aonde os amigos participam abertamente, seja nos comentários ou conversando e cantando ao vivo: João Cavalcanti, Marina Iris, Camila Pitanga, Toninho Geraes entre outr@s…

São “metes” (duplo sentido de match’s mesmo), vozes, conversas, confidências, espaço pra assistências sociais e causos do samba que estão embalando as noites. E se você não entendeu qual a conexão entre um filho que faz a barba do seu pai com a live da Teresa Cristina com Carlos Cavalcanti cantando te mostro agora com Cicatriz de Zé Keti:

“Pobre não é um
Pobre é mais de dois
Muito mais de três
E vai por aí
E vejam só

Deus dando a paisagem
Metade do céu já é meu
Deus dando a paisagem
Metade do céu já é meu

Pobre nunca teve gosto
A tristeza é a sua cicatriz.
Reparem bem que
Só de vez em quando
Pobre é feliz

Ai, quanto desgosto
Ai, quanto desgosto
Assim a vida vale a pena Não.
Mas é explicar a situação
Dizer pra ele que …

Pobre não é um
Pobre é mais de cem,
Muito mais de mil,
Mais de um milhão
E vejam só:

Deus dando a paisagem
O resto é só ter coragem
Deus dando a paisagem
O resto é só ter coragem.”

            Encontros familiares sempre foram cheios de brincadeiras, sacanagens, felicidades. Participam delas histórias de todas as formas, estilos e se você não conhece muito de samba, quer curtir como se estivesse realmente perto de alguém que é conhecedora do samba nacional, assista às lives de Teresa, uma vascaína de coração como eu, a irmã Lorena e papai. Está aqui mais uma indicação de confinamento.

E bora de samba!

“Eu sou o samba
A voz do morro sou eu mesmo sim senhor
Quero mostrar ao mundo que tenho valor
Eu sou o rei dos terreiros
Eu sou o samba
Sou natural daqui do Rio de Janeiro
Sou eu quem levo a alegria
Para milhões de corações brasileiros
Mais um samba, queremos samba
Quem está pedindo é a voz do povo de um país
Pelo samba, vamos cantando
É… pra melodia de um Brasil feliz”

Teresa Cristina – Divulgação

Gabriel Deeaz

Gabriel Deeaz é estudante de teatro na UFT, nos últimos 12 anos atua como produtor cultural e como tal passeia por diversas áreas: desde apresentador de programas de rádio à bartender. De motorista a servidor público como produtor/analista. Contato: E-mail - cultura@vivoverde.com.br | Twitter - @Gabriel_Deeaz

Um comentário em “Indicação de confinamento #3

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.