Qual o verdadeiro respeito que o Estado tem com o ciclista?

Hoje recebi uma indicação de matéria que achei super interessante, com o título “Uma bicicleta a cada dois australianos“, que tinha como contexto o crescimento (tendência/moda) de algumas cidades grandes com a atenção ao “cicloativismo”, a verdadeira preocupação e respeito dos orgãos estaduais, governamentais e federais quanto a este assunto.

 

 

A matéria trás um exemplo, a cidade de Sidney na Austrália, no qual “o Governo iniciou a construção de uma rede de ciclovias urbanas para interligar cidades. Embora a conclusão da rede esteja prevista para 2017, as ciclovias já construídas passaram a influenciar o varejo local, contribuindo para a expansão da atividade comercial nas cidades de Bourke Street, Surry Hills e Sydney. Com o constante trânsito de bikes, surgiram novos restaurantes e butiques para ciclistas. Os turistas também estão “descobrindo” o Pedal Power na Austrália. Na plana Melbourne – onde é possível, inclusive, alugar bicicletas vintage – o governo financiou a publicação do Guia do Ciclista Casual, com o objetivo de auxiliar os turistas que desejam conhecer a cidade em duas rodas.” O que achei a ação muito legal e de grande valia, não apenas para os turistas mas também para as pessoas que ali residem.

Particularmente eu adoro ler que o “cicloativismo” está gerando tendência, já venho escutando sobre isto há um bom tempo, espero que seja investido bem mais no Brasil… E não só no Rio de Janeiro e São Paulo, principalmente, considerando o fato das Olimpíadas e Copa do Mundo.

 

 

Infelizmente a maioria das pessoas acabam pensando que existem outras prioridades quando se é reivindicado ao poder público sobre melhorias ou até mesmo a criação de ciclovias, locais apropriados para estacionamentos de bicicletas, locais fechados para a troca de roupas e afins.

A confusão inicia-se quando é observado que as cidades estão em tão precárias situações de infraestrutura básica, como asfalto, saneamento básico, lazer, cultura, entre outras coisas. Claro que certas coisas precisam de uma prioridade, mas se considerar que o fato de se ter/comprar/andar de bicicleta é um  investimento individual e de bem baixo custo e que muitos podem aderir e que acaba que se isto virasse realmente “moda” ou “tendência”, melhoraria muito certas condições que hoje algumas pessoas vêem que é prioridade… afinal, se as pessoas utilizassem mais as bicicletas como meio de transporte, diminuiria mais a concentração de poluentes na atmosfera, as estradas estariam mais conservadas e várias outras coisas benéficas poderiam encadear este fato.

Mas de fato, qual é o respeito que o Estado tem com o cidadão?? Acho que é esta a pergunta que devemos fazer…

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do Portal VivoVerde, nascida e residente de Minaçu/GO e há 12 anos escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduada em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultor, ministra treinamentos nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho. Contato: contato@vivoverde.com.br | daiane@vivoverde.com.br | Twitter - @VivoVerde | Instagram: @DaianeVV | 063999990294

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.