Coleta Palmas estimula a transformação de materiais recicláveis em produtos novos

Cerca de seis toneladas de recicláveis foram destinadas em 2018 pelo Coleta Palmas à reciclagem. O programa municipal possui 18 pontos diferentes de coleta na Capital para entrega voluntária de material reciclável pela população. Até o final do ano a meta é ampliar para 40 o número de pontos de coleta.

Todo o material recolhido dos contêineres do programa Palmas Coleta, seja ele plástico, metal ou papel, é destinado a cooperativas locais de catadores que realizam a separação e destinação adequada ao material para sua transformação.

“É importante destacar o trabalho dos catadores de recicláveis em Palmas. São pais e mães de família que tiram seu sustento desta atividade, de sol a sol. É um trabalho desgastante que merece a colaboração da população porque tem muita importância, tanto do ponto de vista econômico como do ambiental”, reforça a presidente da FMA, Meire Carreira.

A empresa da família de Magda Cristina Ferreira de Araújo Gomes é um dos destinos para onde o plástico separado pelas associações de catadores encaminha para transformação. Lá, embalagens plásticas de produtos de higiene e limpeza são transformadas em cordas.  Este novo produto, por sua vez, volta ao mercado sendo comercializado nos estados de Minas Gerais, Pará, Amazonas, Maranhão, Bahia e São Paulo.

“Recebemos plástico de várias fontes. O que nos dá uma média e oito toneladas por mês de plástico. Isso significa que em um ano chegamos a transformar 96 toneladas que deixam de ir para o aterro sanitário e que se transformam em um produto totalmente diferente. Ajuda muito o meio ambiente e acredito que esse meu trabalho deixa um exemplo para as próximas gerações. O que nossos avós não conseguiram, acredito que já podemos fazer. É a nossa responsabilidade social,” reforça Magda.

Separar e destinar

Este ano, a população destinou apenas 350 kg de materiais descartáveis para os pontos de entrega voluntária do Coleta Palmas. O montante é tímido ainda, por isso, a Fundação de Meio Ambiente (FMA) espera que mais e mais moradores participem encaminhando parte dos resíduos recicláveis que produzem em casa e que ainda estão sendo descartados junto ao lixo orgânico comum. Desta forma, menos material passível de reciclagem será encaminhado ao aterro sanitário de Palmas. Por mês, em média, 250 toneladas de lixo são encaminhados ao aterro por dia na Capital.

Para saber onde fica um ponto de coleta mais próximo da sua casa acesse o endereço eletrônico: https://goo.gl/nDS6Q5.

O programa de estímulo à destinação adequada e reaproveitamento de material reciclável atende aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030, a exemplo dos objetivos 11 (Cidades e Comunidades Sustentáveis) e 12 (Consumo e Produção Responsáveis), entre outros.

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do #VivoVerde, mora em Palmas/TO há 15 anos e há 11 escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduanda em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultora nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.