No Dia Estadual da Baía de Guanabara, Museu do Amanhã discute o cenário socioambiental e os desafios da despoluição

Atividade “Óleo na Guanabara – 20 anos” tem entrada gratuita e vai relembrar um dos maiores desastres ambientais do país com bate-papo realizado no sábado, 18 de janeiro.

Há 20 anos, um derramamento de óleo causado pelo rompimento de um duto que ligava a Refinaria Duque de Caxias (Reduc) ao Terminal da Ilha D’Água mudou completamente o cenário socioambiental da história da Baía de Guanabara. Mais de 1,3 milhão de litros de óleo combustível se espalharam pelas águas, contaminando areias, costões, muros de contenção, pedras e lajes. No dia Estadual da Baía de  Guanabara, 18 de janeiro, o Museu do Amanhã vai relembrar o desastre em um bate-papo com o ambientalista e secretário Municipal de Planejamento de Niterói, Alex Grael, e o procurador da República Renato Machado.

O encontro acontece entre 11h e 13h30, no Observatório do Amanhã, e vai debater a governança do petróleo e os desafios enfrentados para a despoluição da Baía. Somente em 2018, por exemplo, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) foi acionado 21 vezes para ocorrências de vazamentos de óleo.

“A indústria do óleo e do gás, fundamental para o Rio, tem usado a Baía de Guanabara há décadas, mas lamentavelmente a segurança da população e do ecossistema nem sempre foi tratada com o cuidado necessário. É fundamental um debate sobre novos paradigmas que aliem ecoturismo, resiliência costeira e atividades econômicas diversas”, diz o editor de Conteúdo e Sustentabilidade do Museu, Emanuel Alencar.

A vida da Baía de Guanabara, dos mares e dos oceanos é um dos macrotemas que vão guiar a programação do Museu do Amanhã em 2020, antecipando as ações da instituição para a Década dos Oceanos das Nações Unidas, que começa em 2021. Presente na exposição de longa duração do museu, no interativo Baías de Todos Nós, a Baía de Guanabara também foi tema de um encontro em outubro do ano passado que reuniu representantes do museu, do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ), entidades, organizações e líderes da sociedade civil para a elaboração coletiva de um plano de ação e metas para a Baía de Guanabara e todo o seu entorno. O Observatório da Baía de Guanabara vai utilizar dados públicos para monitorar as condições da Baía e criar propostas para a sua preservação.

O encontro de sábado é a primeira das atividades relacionadas ao tema em 2020 e está com inscrições abertas no site no site do Museu do Amanhã (www.museudoamanha.org.br). Classificação etária livre.

Serviço

Óleo na Guanabara – 20 anos
Dia: 18 de janeiro
Horário: das 11h às 13h30
Inscriçõeshttps://museudoamanha.org.br/pt-br/palestra-oleo-na-guanabara-20-anos
Atividade gratuita
Classificação Livre

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do #VivoVerde, atualmente mora em Campinorte/GO, mas por 15 anos foi uma apaixonada residente de Palmas/TO e há 11 escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduada em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultora e ministra treinamentos nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho. Contato: contato@vivoverde.com.br | daiane@vivoverde.com.br | Twitter - @VivoVerde | Instagram: @DaianeVV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.