[SMAVV] A Terra e seus tipos de solo

Fotografia do planeta Terra (que não é plana!) – Pixabay

Neste segundo dia da nossa Semana de Meio ambiente do VivoVerde, vamos falar da Terra! Elemento este tão degradado e pouco utilizado de forma consciente. Logo ela, que é uma fonte de vida!

Segundo artigo da BBC, o solo foi formado ainda quando o sistema solar nasceu, antes de nosso planeta se formar, os componentes essenciais do solo vagavam insuspeitos na escuridão do espaço. A prova disso são meteoritos conhecidos como condritos carbonáceos, que datam dos primórdios do sistema solar e são ricos em minerais de argila que integravam os primeiros solos terrestres. Em termos de textura do solo, tipo de solo, geralmente, refere-se a diferentes tamanhos de partículas de minerais em uma determinada amostra. O solo é composto em parte por partículas finas de rochas, agrupadas de acordo com o tamanho como areia, silte e argila.

Cada componente, e o seu tamanho, desempenham um papel importante. Por exemplo, as maiores partículas, areia, determinam as características de aeração e drenagem, enquanto que as menores, sub-microscópicas partículas de argila, são quimicamente ativas, ligando-se com a água e os nutrientes das plantas. A proporção destes tamanhos determinam o tipo de solo: argila, barro, e assim por diante.

Além da composição mineral do solo, húmus (matéria orgânica), também desempenha um papel importante nas características do solo e fertilidade para a vida da planta. O solo pode ser misturado com um conjunto maior, como seixos ou cascalho. Nem todos os tipos de solo são permeáveis, tais como barro puro. Há muitas classificações de solo reconhecidas, tanto internacionais como nacionais.

Porém, existem alguns tipos de solos distintos no Brasil, de acordo com Sistema Brasileiro de Classificação de Solos (SiBCS), tipos de solos presentes são:

Da esquerda para direita, argissolos, cambissolos, chernossolos e espodossolos. Classes de solos do Brasil, FONTANA, Ademir; BALIEIRO, Fabiano de Carvalho (Embrapa Solos). PEREIRA, Marcos Gervásio (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro), 2019.

Argissolos

Apresentam maior teor de argila nas camadas subsuperficiais em relação aos superficiais. Sua cor pode variar de acinzentada a avermelhada sendo as tonalidades amarelas e vermelhas as mais comuns.

Podem ser encontrados em praticamente todas as regiões brasileiras e representam aproximadamente 24% da superfície do País. Em termos de extensão geográfica, ocupam a segunda maior posição, depois dos Latossolos.

Cambissolos

Compreendem solos em fases iniciais de desenvolvimento. Apresentam pouca diferenciação dos camadas, principalmente pela cor e estrutura. Ocupam cerca de 2,5% do território brasileiro e é distribuído amplamente.

Chernossolos

São solos muito férteis e caracterizados pela presença da camada superficial densa e escura. Apresenta boa agregação de argila.

Esse tipo de solo ocupa 0,5% do território nacional. Ocorrem no Sul e no Nordeste e em pequenas áreas no Centro-Oeste.

Espodossolos

Apresentam acúmulo de matéria orgânica e alumínio. Mas de maneira geral têm predomínio de areia em sua composição, sendo considerados solos muito pobres e ácidos.

Sua camada subsuperficial pode apresentar cor escura, acinzentada, amarelada e avermelhada. Sua ocorrência é de aproximadamente 2% do território do País, sendo distribuído por toda a costa brasileira e oeste da Amazônia.

Da esquerda para direita, gleissolos, luvissolo, neossolos e latossolos. Classes de solos do Brasil, FONTANA, Ademir; BALIEIRO, Fabiano de Carvalho (Embrapa Solos). PEREIRA, Marcos Gervásio (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro), 2019.

Gleissolos

Possuem material predominantemente argiloso e geralmente estão associados às proximidades de cursos d’água. As cores predominantes na subsuperfície são acinzentadas, podendo apresentar mosqueados devido à oxidação e redução em ambiente saturado por água.

Sua composição química e física é bastante variável devido à natureza do ambiente em que se encontra (várzea ou depressão). Os gleissolos ocupam 4% do território nacional e estão presentes nas regiões Norte, Centro-oeste, Sudeste e Sul do País.

Latossolos

Esses tipos de solos sofreram diversas transformações em seu processo de formação. Suas cores variam de avermelhadas a amareladas. Apresentam textura argilosa e podem ter estrutura de grãos.
Os latossolos são os solos mais representativos do Brasil, ocupando aproximadamente 39% da área total do País e sendo distribuídos praticamente por todo o território nacional.

Luvissolos

Apresentam significativos teores de argila nas camadas subsuperficias. São geralmente rasos, de coloração avermelhada ou amarelada. São amplamente encontrados no nordeste do País, ocorrendo em 3% da área do território brasileiro.

Neossolos

São solos jovens por consequência de reduzida ação dos fatores de formação. Constituídos por material mineral ou por material orgânico. Ocorrem aproximadamente em 15% do território brasileiro.

Da esquerda para direita, nitossolo, organossolos, planossolos e vertissolos. Classes de solos do Brasil, FONTANA, Ademir; BALIEIRO, Fabiano de Carvalho (Embrapa Solos). PEREIRA, Marcos Gervásio (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro), 2019.

Nitossolos

São geralmente profundos, com textura argilosa e coloração avermelhada, sendo observada pouca diferenciação de cores entre as camadas. São bem drenados, estruturados, moderadamente ácidos e de fertilidade natural muito variável.

Em períodos secos, devido ao elevado teor de argila, podem formar fendas no sentido vertical. Sua ocorrência no Brasil é de aproximadamente 1,5% e são encontrados nas regiões Sudeste e Sul do País.

Organossolos

Os organossolos são formados por material orgânicos em diferentes estágios de decomposição. Esse material é proveniente da deposição e acúmulo de resíduos vegetais, com ou sem mistura de materiais minerais.

Por essa razão, apresentam coloração escura pois possuem elevados teores de carbono devido à decomposição da matéria orgânica. Não possuem áreas representativas de ocorrência no País, pois ocorrem em pequenas manchas e de maneira dispersa.

Planossolos

Possuem grande aumento de argila na subsuperfície. São extremamente duros quando secos e possuem baixa permeabilidade. Isso condiciona ciclos de redução e oxidação do ferro, propiciando as cores acinzentadas e mosqueados. Possuem maior ocorrência no Rio Grande do Sul, Nordeste e no Pantanal, ocupando aproximadamente 2% da área do País.

Plintossolos

Esse tipo de solo leva à formação de uma condição destacável da matriz do solo, denominada plintita. Essa formação ocorre devido à drenagem imperfeita e ciclos de redução e oxidação do ferro.

As cores são predominantemente cinzentas, vermelhas e amareladas ou mosqueado e muitas vezes com moderado aumento de argila em subsuperfície. São encontrados na região Norte do País, principalmente na região Amazônica.

Também são encontrados nas regiões Nordeste, Centro-oeste e Sudeste do Brasil. Ocupam aproximadamente 6% da área do território nacional.

Vertissolos

Apresentam altos teores de argila, com expressiva movimentação da massa do solo. No período seco ocorre formação de fendas largas e profundas. São de coloração acinzentada ou preta, sem diferença significativa no teor de argila entre a parte superficial e subsuperficial do solo.

São bastante férteis, ricos em cálcio, magnésio e rochas básicas. No entanto possuem baixa permeabilidade e drenagem lenta. São predominantes na zona seca do Nordeste, no Pantanal Mato-grossense, na Campanha Gaúcha e no Recôncavo Baiano, totalizando cerca de 2% da área do Brasil.

Você sabia?

– A ciência que estuda a composição, o desenvolvimento e a formação dos solos é a Pedologia.
– 3 de maio é o Dia do Solo.
– 2015 foi o Ano Internacional dos Solos. O tema foi escolhido pela ONU para conscientizar as pessoas sobre a importância de preservar o solos (evitando a poluição e as diversas formas de degradação) e sua importância para os seres humanos.

Fontes: Boas Praticas Agronomicas | Wikipedia | BBC

Daiane Santana

Daiane Santana é a idealizadora do Portal VivoVerde, nascida e residente de Minaçu/GO e há 12 anos escreve neste site. Formada em Engenharia Ambiental, pela UFT – Universidade Federal do Tocantins, pós-graduada em Gestão de Recursos Hídricos e Segurança do Trabalho. Atua como consultor, ministra treinamentos nas áreas de meio ambiente, segurança do trabalho e está a disposição do mercado de trabalho. Contato: contato@vivoverde.com.br | daiane@vivoverde.com.br | Twitter - @VivoVerde | Instagram: @DaianeVV | 063999990294

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.