Cogumelos, a revolução não-verde

Estima-se que 70% da produção agrícola de plantio seja desperdiçada. Isso ocorre devido aos resíduos da colheita que, muitas vezes não podendo ser usados nem para adubagem, são desperdiçados. Vale lembrar que o peso dos resíduos de uma safra superam em muito o peso dos grãos.

Revolução Verde refere-se à invenção e disseminação de novas sementes e práticas agrícolas que permitiram um vasto aumento na produção agrícola em países menos desenvolvidos durante as décadas de 60 e 70. É um amplo programa idealizado para aumentar a produção agrícola no mundo por meio do ‘melhoramento genético’ de sementes, uso intensivo de insumos industriais, mecanização e redução do custo de manejo.

(Wikipédia)

Este Site (link) apresenta uma alternativa para o aproveitamento deste material através do cultivo de cogumelos.

Os micélios dos fungos podem produzir enzimas que degradam esses materiais desperdiçados, convertendo-os em nutrientes para o crescimento de cogumelos comestíveis.
Algumas espécies de cogumelos, como o Pleurotus spp, por exemplo, podem ser cultivadas em instalações relativamente baratas e mediante tecnologias menos sofisticadas.
Os cogumelos além de se constituírem em alimentos nutritivos, ricos em proteínas, também possuem efeitos medicinais. O subproduto do composto utilizado pode ser usado como alimento de animais e fertilizantes, proporcionando emprego e renda.

(Fonte)

Mais informações também podem ser encontradas em:

Scielo – Avaliação da produção de Pleurotus sajor-caju (Fr.) singer utilizando resíduo do beneficiamento têxtil do algodão como substrato*

2 comentários em “Cogumelos, a revolução não-verde

  • 5 de maio de 2011 em 18:50
    Permalink

    Voce nos proporciona um grande aprendizado,somente ao visitar o seu blog !!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.